O CONTADOR VIU: O MECANISMO

POR FÁBIO CHAP

Recomendação para essa semana: assista a série brasileira ‘O Mecanismo’ que estreou na Netflix.

É uma série maravilhosa sobre a Lava Jato. O primeiro mérito da série é ter conseguido criar um suspense muito interessante numa história que a gente já sabe tudo o que acontece. Isso não é tão simples. As operações estão todas lá. A prisão do diretor da Petrobrás (Na série chamada de PetroBrasil). A prisão de vários donos de empreiteiras de uma vez só. A vaidade dos investigadores. Tá tudo nessa 1ª temporada.

O segundo mérito de ‘O Mecanismo’ é ter conseguido irritar petistas fanáticos. Isso já é mais simples. Basta fazer uma mínima crítica ao “Deus Lula” que os fiéis não perdoam.

O Selton Mello, para variar, tá brilhante. Na série ele é um delegado da Polícia Federativa (a série preferiu não chamar de Polícia Federal; imagino que para evitar processos). Um delegado absolutamente vidrado na Lava Jato. Em dado momento uma delegada mulher ocupa o lugar dele como responsável da Polícia pela operação. A atriz chama Carol Abras e a personagem dela é bem intensa. Sem a atuação dela, a operação teria parado lá no comecinho e ninguém teria ouvido falar nos escândalos de corrupção que a gente conhece.

Em dado momento da série, o personagem do Selton faz um paralelo entre a corrupção que vai dos mais altos cargos do congresso ao funcionário da prefeitura que tem que trocar um cano quebrado na sua rua. Para mim esse foi o momento ápice. Sem propina são 3 semanas para trocar um cano. Com propina, 1 dia.

No roteiro estão todos personagens políticos e empresariais dos últimos anos do Brasil. Os petistas mais fanáticos, como fizeram chilique e não assistiram a série até o final, não sabem que ‘Sérgio Moro’ vai ficando cada vez mais vaidoso. Que os procuradores vão ficar ultra-vaidosos. Não sabem que a série dá uma tirada em ‘Kim Kataguiri’. Não sabem que ‘Michel Temer’ e ‘Aécio Neves’ são retratados como uns baita sem noção e golpistas. Também não fazem ideia de que existe uma crítica contundente à revista Veja.

Mas, ao mesmo tempo, a série também é bastante crítica ao Lula e à Dilma. Incrível a semelhança da atriz que faz a presidenta Janete Ruskov com a ex-presidenta Dilma Roussef. Principalmente na hora em que ela e ‘Lula’ saem na capa da revista ‘Leia’; uma paródia com a revista Veja.

Para você ter uma noção, a crítica tá tão honesta que vi num post um petista acusando Selton Mello de ter o pau pequeno. É sério! Disse que isso é um ‘boato forte entre as atrizes da Globo’.

Bom, se o diretor José Padilha queria fazer barulho no meio militante, ele conseguiu. Agora resta saber como a série vai ser recebida pelas pessoas normais que trabalham de segunda à sexta e não têm tempo de dedicar a vida a defender o “Deus Lula”. Nem têm interesse em boicotar a Netflix porque ela decidiu tocar nesse assunto (sim, tem um movimento de 13 gatos pingados propondo o cancelamento da assinatura da Netflix).

O Mecanismo foi uma baita bola dentro. Série brasileira de alta qualidade na Netflix é algo muito especial. Selton Mello – meu ator favorito há muitos anos – quebrando tudo. Além de tudo isso, conseguiram uma baita série polêmica.

Finalizo esse post com essa pérola da série:

– Fez merda, né? Vamo comigo que a gente vai desfazer essa merda!

**

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).