NÃO SE ESCONDA POR TRÁS DAS ROUPAS QUE VESTE

POR RAFAEL OLIVEIRA


Ontem eu vi um homem vestido.

Era o dia dele de ficar com as crianças, ele buscou os filhos na casa da mãe e largou na casa da mãe dele pra se divertir só (beber, dançar e comer fora).

Ontem eu vi um homem vestido. Quer dizer, bem vestido! Roupa de marca, carro do ano, e a pensão alimentícia da filha atrasada.

Ontem eu vi um casal vestido. Eles brigavam na frente do filho, gritavam um com o outro palavras de baixo calão e o pai chegou a bater na mãe.

Ontem eu vi uma mulher vestida. Ela tava achando caro um livro de poesia que a filha pediu. Sabe quanto era o livro? 50 reais.

O engraçado é que ela achou super barato um pedaço de pano que ela chama de vestido. Sabe quanto era o vestido? 250 reais.

Eu vejo pessoas vestidas todos os dias passando por crianças no sinal e nem um sorriso dão para elas.

Eu vejo os museus, memoriais, galeria de artes, parques ecológicos e praças públicas vazias de pessoas vestidas e nuas.

Pois estão ocupados demais, lotando os estádios superfaturados da copa e pagando em 10x no cartão um show de qualquer dupla sertaneja aí.

Eu me sinto nú diante tudo isso, com meu pau enterrado na lama da hipocrisia dos senhores vestidos e das puritanas com seus vestidos mais caros que o livro do próprio filho.

Fim.

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).