SER ADULTO É DIFÍCIL

POR FÁBIO CHAP

ensino-para-adultos-favorece-a-troca-de-experiencias

A gente não sabia que ser adulto era tão difícil assim, né? Um mergulho na desilusão com uma ou duas respiradas no triunfo – e olhe lá.

Viver é um quase-afogamento a cada ano, a cada mês. Duvido que o vocês versão adolescente tinha noção dessa porra de vida adulta. Eu também não tinha. E, por vezes, me pego pensando: a vida é muito mais que um livro de auto-ajuda de capa pomposa.

‘É só querer que você chega lá, campeão’ – vá tomar no cu.

Pra mim tá cada vez mais claro que a saída não é mais querer, mais vontades, mais desejos. É exatamente essa busca de saciar coisas vãs que nos fode. A saída é organizar a mente. Organizar a porra da mente. Aceitar o cinza do mundo. Mas sem necessariamente se deixar ser tragado por ele. Aceitar que o ser humano é sim tudo de ruim, mas, vez ou outra, vemos como ele pode ser tudo de bom. A saída é ler, ler, ler, se aprimorar, ler pra ser. Ler pra entender. Ler pra não surtar.

Quando a gente organiza a mente, a gente percebe que ninguém é mau, mas, também, que ninguém é bom. As pessoas são um eterno caminhar entre esses dois polos. Vão defender a elas mesmas, sobreviver; depois vão ver se têm tempo pra você.

Há o rancor, há o ódio, há a inveja, há a manipulação, há o comportamento de manada e não há nada que você possa fazer pra evitar isso.

Organiza tua mente. Ser adulto, ser gente é resistir. Quem não se prepara pra ficar de pé, que comece a se preparar pra cair.

Num mundo duro, seja a mente fluída, faça dos seus sonhos e da sua organização a tua saída e vai lá – não pra brilhar – mas pra voar e estar nutrido de forças pra consertar tuas asas.

Ser adulto é difícil, beira o impossível, mas você tem outra opção? Não! Então para de reclamar e vai à luta, caralho.

**

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Formado em Pedagogia (UFRN).