SOBE UM NÚMERO, CAI UM PAI

POR FÁBIO CHAP

Eu só queria tá lá.
Queria vê a carinha dela nesse Natal quando ganhasse o carrinho que ela pediu o ano todo.

Nesse mundo louco, o que sobra pra gente é o legado. O que a gente deixa marcado no coração de um filho, sabe?

Só que não deu tempo de saber por onde ela vai caminhar.

‘Mil cairão ao teu lado, dez mil à tua direita. Mas tu não serás atingido.’ – diziam isso, né.

Mas quando é de fuzil, perfura, transpassa. E a dor, puta que o pariu, meu parça. É a maior do mundo.

A dor de nunca mais ver aquela bochecha, aquela carinha, afff. Não dá pra descrever.

Eu só queria tá lá, mas eu não tô.

E nunca mais – eu vô tá.

**

Só esse ano 102 policiais já foram mortos nessa guerra insana. Pra uns, sobe um número; pra outros, cai um pai.

**

[fábio chap]

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).