JÚLIA

POR FÁBIO CHAP

violencia-contra-a-mulher

Júlia não aguentava mais: suicidou na frente dos pais. Quando criança, Júlia adorava vestidinhos rosa. Adorava pular, brincar, principalmente com Antônia, sua boneca desbotada que a mãe Paula guardava bem fundo no armário, mas nunca jogava fora.

Só que ela cresceu e a boneca ficou pra trás. Foi pra escola e nunca teve muita paz. Teve uma época em que Júlia queria dar um beijo na boca do Pedro. Não era tão cedo. Ela já tinha quinze. Ele nunca soube. Júlia nunca contou. Pedro a odiava, mesmo assim Júlia jurava que nunca havia sentido nada parecido.

Júlia, embora chorasse diariamente, sonhava com o futuro, construir uma casa sem muro – quem sabe um lar – viver à beira mar; ser tão feliz que da vida pediria bis. Mas as coisas não eram simples assim. O pai de Júlia era muito violento; batia nela a todo momento. Por vezes ficavam marcas. Por vezes havia sangue. Por muitas vezes havia nela um desejo incontrolável de dar fim em tudo. Nessas horas o pai de Júlia não ficava mudo. Agredia física e verbalmente. Dizia que ‘isso não era coisa de gente de bem; era coisa do Diabo, de quem não tem vergonha na cara’.

E olha que o pai de Júlia foi um cara bem liberal na adolescência. Fumou suas maconha, cheirou seus pó, transou sem dó por tudo quanto é lugar. Mas ‘da família ele havia de cuidar’. Na família que suou pra construir e sustentar ele não permitiria ‘pouca vergonha’; palavras dele próprio.

Mauro era covarde. Mas percebeu isso muito tarde. Júlia, sua filha, não estava feliz ou contente com o corpo que tinha, muito menos com as cintadas e socos que recebia. Júlia tinha uma tia que a entendia. A única pessoa do mundo que a entendia. Foi essa tia que escolheu seu nome, mas nunca ligou muito pra isso. Ela escolheu Tiago, mas Tiago nunca chegou a nascer; nasceu a Júlia, muito embora Júlia tivesse um pênis antes de morrer.

Paula e Mauro agora velam um Tiago que nunca existiu. Só que todos ouviram Mauro dizer em frente ao caixão:

– ‘Minha filha, por quê você partiu? Não, não (…) NÃO.’

**

CONFRATERNIZAÇÃO DO PROJETO PÉ-DE-MULEKE MARCA ABERTURA DA META PARA 2017: “CHEGAR A 100 CRIANÇAS E NÃO PARAR”

Patrick Braga e Camilla Félix são os idealizadores do projeto que atende atualmente 76 crianças do município.

POR AILTON RODRIGUES
NATAL/RN

whatsapp-image-2016-12-19-at-11-06-55
Confraternização do projeto Pé-de-Muleke.

Faz ainda menos de um ano, mas o projeto “Pé-de-Muleke” já está alcançando grandes números dentro de São Miguel do Gostoso, os idealizadores Patrick Braga e Camilla Félix hoje atendem 76 crianças do município que estão divididas em dois turnos (matutino e vespertino).

A ideia surgiu com o próprio Patrick que sempre observou a falta de opções em Gostoso para lazer, cultura e esporte. Seu filho sempre jogava bola com os amigos dele na porta da sua casa, então ele pediu para que o garoto chamasse mais 12 meninos para jogar futsal no ginásio poliesportivo da cidade, ao invés de 12 apareceram 20 garotos naquela tarde. Depois disso ele não parou mais e o número de crianças que queriam participar da brincadeira só aumentou.

pdm-idealizadores
Francilúcio Vieira, Camilla Félix e Patrick Braga.

No começo a ajuda veio por meio do coordenador de esportes, Francilúcio Vieira, que deu suporte e disponibilizou horários no ginásio para que Patrick e “seus” meninos pudessem jogar. Depois começaram a pintar os eventos como gincanas, comemorações, festas temáticas e torneios.

O dinheiro para isso atualmente está vindo de alguns comerciantes parceiros e pais dos alunos atendidos. Com essa ajuda eles já adquiriram um bebedouro, várias bolas e 25 coletes.

whatsapp-image-2016-12-19-at-11-06-54
Logo do projeto.

Para comemorar o sucesso que foi o ano de nascimento do projeto, uma confraternização foi montada e assim o pontapé para os objetivos de 2017 também já foi dado:

“Nosso intuito em 2017 é chegar a 100 crianças, montar uma associação e não parar apenas no futsal. Vamos buscar mais parceiros e modalidades, incluindo também o reforço escolar. Já tivemos propostas nas áreas do kitesurf e do handebol, mas pretendo fornecer para eles também o teatro e a dança”, declarou Patrick Braga.

MAIS INFORMAÇÕES E PATROCÍNIOS:

  • Whatsapp – (62) 9383-0240.
  • Celular – (84) 98104-3127 ou (84) 98174-4868.
  • Facebook – Clique aqui.

O Contador deseja sorte ao Pé-de-Muleke e segue de olho em tudo que move São Miguel do Gostoso. Até qualquer hora!