MEU CARO AMIGO HOMEM, TER FILHO É TIPO UM FURACÃO

POR FÁBIO CHAP

pai-filha-abraco-0816-1400x800

Meu caro amigo homem, ter filho é tipo um furacão. Não apenas porque filho revira a casa, mas porque filho revira a tua vida.

Filho derruba frango no chão, espalha massinha pela casa e faz você mudar completamente seu estilo de vida; dos gorós aos seus planos de faculdade/pós/estudos em geral.

Sabe aquele churras dos parça às 11 da noite naquela casa que acontecem as maiores putarias? Então, você não vai. Cê vai ficar em casa assistindo o mais novo filme da My Little Pony – lindas garotinhas metade pônei, metade gente que têm uma banda chamada Equestria Girls.

Sabe aquele bacon que você comia todo dia junto com seu arroz e feijão? Então, você vai parar e vai colocar mais verde na sua comida. É a volta do agrião, da rúcula e da cenoura no seu prato. E sem fazer cara feia, mané. Ou acha que a pequena criança não vai – na hora – falar que se você não gosta daquilo, ela também não precisa gostar?

Meu caro amigo homem, filho é furacão. Não apenas porque caga infinitamente nas fraldas e vai depender bons anos de você pra limpar o bumbum, mas porque vai bater de frente com você. Vai te questionar: “Se eu não posso toma refrigerante de dia de semana, por que você pode tomar cerveja de dia de semana?”

Sabe aquela viagem que você fazia com os amigos e as amigas pra ver biquininho pequenininho, fumar todos becks do mundo, chapar de Red Label até cair adormecido num colchonete qualquer pela casa? Então, você, não tão cedo, vai fazer outra dessas.

Sua viagem de verão pode até ser na praia, mas com horário pra ir dormir e com noção do quanto dá pra beber e do quanto não dá. É, as coisas mudaram, meu parça.

Se você abriu mão disso tudo pelos seus filhos, é isso aí mesmo, cara. Você se tornou uma pessoa adulta. Uma pessoa que soube aproveitar ótimas coisas da vida e agora entrou numa outra fase, num outro fluxo.

Agora, se você tem filhos, mas nunca fica com eles, deixa pra mãe da criança – ou pra sua mãe – cuidar e criar enquanto você segue vivendo a adolescência tardia, saiba que a vida vai te cobrar por cada omissão.

Filho é furacão, mas se você é omisso, nunca vai poder sentir a brisa que é ouvir um ‘eu te amo, papai’. Filho é furacão, mas se você é omisso, nunca vai poder sentir a brisa que é ver sua cria gargalhando das coisas mais bobinhas do mundo. Filho é furacão nos primeiros anos de vida, mas a brisa que afaga o coração, aos poucos, ela chega. Eu amo desenhar uma cena daqui 20 anos em que vai estar eu e minha filha tomando uma cerveja a beira-mar falando da vida, da política, do mundo, dos relacionamentos. E sei que só vou conseguir isso tudo aceitando e vivendo o furacão que são os primeiros anos de uma criação.

Por fim, esse texto não é um manifesto pela anulação daquilo que te dá prazer. Mas você vai ter tão poucas chances de manter o antigo estilo de vida que, pouco a pouco, ficar lokasso e pegar geral não serão mais coisas que vão preencher sua alma.

Meu caro amigo homem, aos poucos, você vai deixar de pensar em área vip de baladinha e vai pensar em casa própria. Vai deixar de pensar em caixas e caixas de cerveja e vai pensar em latas de farinha láctea, couve-flor e iogurte. Vai deixar de achar que a vida é uma eterna festa. Vai entender que você colocou um ser humano no mundo. Ser humano esse que, por alguns anos, vai depender totalmente do papai e da mamãe; tanto fisicamente quanto psicologicamente.

Tem homem que ainda não acordou pra vida. A todos que estão bem despertos criando boas pessoas pra esse mundo: meus parabéns!

Você está sendo, de fato, um homem perante as suas obrigações.

**

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).