6º DIA DE RIR: THE WHO IMPRESSIONA PELO VIGOR E GUNS N’ ROSES FAZ MARATONA

Titãs, Incubus, Bomba Estéreo, Karol Conka e CeeLo Green também estiveram entre as atrações do penúltimo dia de festival.

POR ANNA MOTA E  LUCAS BRÊDA
DO SITE ROLLING STONE

img-1046043-who-no-rock-rio
The Who no Rock In Rio 2017.

O público não se importou com o sol quente do Rio de Janeiro na hora de escolher como iria vestido para o penúltimo dia do Rock in Rio 2017. As camisetas pretas homenageando o Guns N’ Roses tomaram conta do local desde cedo, fazendo questão de mostrar por quem boa parte do público esperava na Cidade do Rock.

img-1046044-guns-n-roses-no-rock-rio
Guns N’ Roses fez maratona de 3 horas de show.

E, se era Guns N’ Roses o que queriam, foram o que tiveram. O atraso foi menor do que o habitual, e a chuva que marcou a apresentação do grupo na edição de 2011 do evento não apareceu desta vez. Axl Rose não é o tipo de figura que se deixa passar em branco, e fez questão de permanecer por mais de três horas no palco, ainda que perdesse e recuperasse a voz na mesma medida em que recebia euforia e indiferença do público.

O repertório não deixou nenhuma música essencial de fora (teve “It’s So Easy”, “Mr. Brownstone”, “Sweet Child O’ Mine”, “Patience”, “November Rain”…), e ainda acrescentou uma versão à guitarra de “Wish You Were Here” (Pink Floyd) e covers de “Whole Lotta Rosie”, do AC/DC (banda com a qual Axl Rose saiu recentemente em turnê como vocalista), “The Seeker” (The Who) e “Black Hole Sun” (Soundgarden), que entrou recentemente no setlist da turnê de retorno como homenagem a Chris Cornell, morto este ano.

A longa performance do Guns foi um marco (principalmente para os que enfrentaram mais de 15 horas de festival), mas o acerto ficou por conta do show do The Who, que se apresentou às 22h35 no palco Mundo. Os mais de 70 anos do cantor Roger Daltrey e do guitarrista Pete Townshend, os dois únicos membros originais da banda, somente enfatizaram o quão impressionante foi a energia colocada no show de estreia da banda no Rio de Janeiro.

O público — que normalmente se distrai com facilidade no Rock in Rio — se manteve vibrante do início ao fim. O repertório foi impecável, com uma hora de duração, passando por clássicos como “Can’t Explain”, “Who Are You?”, “Behind Blue Eyes”, “Pinball Wizard”, “Baba O’Riley” e “Won’t Get Fooled Again”. Um momento que valeu a espera do público fluminense — e brasileiro.

Incubus e Titãs também passaram pelo palco Mundo neste penúltimo dia de festival. No primeiro show de grande porte sem o guitarrista e vocalista Paulo Miklos, a banda brasileira optou por hits do passado para segurar a plateia, como “Diversão”, “AA UU” e “Televisão”. As inéditas “Doze Flores Amarelas” e “Me Estuprem” praticamente passaram despercebidas em meio ao set list de sucessos.

No palco Sunset, o clima foi contagiante. Após receber o Cidade Negra cantando Gilberto Gil, o local abrigou a apresentação contestadora do Bomba Estéreo, que teve como convidada Karol Conka. CeeLo Green fechou a grande festa com melodias funkeadas e com pinceladas de R&B, como “Crazy” e “Fuck You”, além de ter recebido a brasileira Iza para “Fool For You”.

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).