HOMENS, VOCÊS ESTÃO PERDENDO AS SUAS MULHERES

POR FÁBIO CHAP

mulher-moderna-desafio-tempo

Um texto que ainda incomoda a macharada inerte à NOVA mulher. Mulher essa que não guarda orgasmo, explode todos eles na cara da sociedade. Essa mesma sociedade que ainda a recrimina por transar tanto quanto VOCÊ.

**

Homens, vocês estão perdendo as suas mulheres

**

Caímos nesse mundão por acaso. Se naquele mar branco eu fui o espermatozóide vencedor ao correr para xavecar o óvulo charmoso, o nome disso não é destino. Isso chama-se ‘sorte pra caralho.’

Fico pensando o quanto o mundo era diferente naqueles idos de 1986, ano em que fui concebido. De 1986 para 2017 a parada, vulgo mundo, deu um salto insano em direção à tecnologia e mais um monte de outras coisas. O grande lance é: tem me parecido que o salto não foi tão grande assim numa questão fundamental da vida: Liberdade.

Não vou estender o papo para o conceito filosófico de liberdade. Falarei apenas de uma das vertentes que essa palavra pode ter: Liberdade sexual.

Como alguns sabem, eu tenho praticamente marchado rumo à liberdade sexual da mulher. Milito mesmo. Não só porque eu sou um óbvio beneficiado dessa história, mas porque conforme a vida foi acontecendo pra mim, percebi – e me irritei – com o modo em que era enxergada a mulher que, em seu direito e deleite PLENO, assumia gostar de sexo tanto quanto eu.

Parece-me que as mulheres, conforme foram abrindo e ampliando seu espaços no mundo, fizeram suas revoluções já com a cabeça leve, prontas para o próximo passo no quesito liberdade. Passaram a odiar coisas que não levam a nada, como grosserias disfarçadas de cantada no meio da rua. Mas, quando trata-se do meio das pernas, passaram a amar atitude e liberdade que só veio para somar. Na verdade, não que antes não amassem, mas pouquíssimas conseguiam por isso em prática. Isso mudou. Elas chegaram à liderança. Seja liderar uma empresa ou um país. E isso acarreta em uma coisa: Agora elas também têm o microfone.

Poucos homens tiveram a sensibilidade de analisar o contraste que tanto fascina as mulheres nesses novos tempos. Pois não é porque ela lidera a porra da empresa que for, que ela não quer chegar em casa e, consensualmente, tomar um tapa do marido com ele dizendo que quem manda naquela cama é ele. Quem te falou, oh cara pálida, que só porque ela grita ao telefone da empresa para fazer as coisas acontecerem, ela não quer gritar na cama de vocês? Pedindo para que você a chame novamente de puta enquanto ambos se deliciam com a submissão que faz bem à maioria dos casais.

Acredite: Tem marido que não consegue chamar a mulher de puta no momento mais íntimo entre os dois.

Acredite: Tem namorado que está há cinco anos com a mesma mulher e nunca a fez gozar.

Me parece surreal que não percebam ou não consigam dar asa a quem é de vôo; a dar tapa a quem é de gemido.

Como uma amiga diz:

“Cara, eu não tenho vergonha de falar que meto o galho mesmo. O cara não se dedica nada a mim, me chupa por dois minutos e já acha que é o superstar pornô.”

Não que eu concorde com ela, afinal, acho que ela desperdiça um tempo importante da vida. Mas quem sou eu para conseguir avaliar tudo o que mantém um namoro ou um casamento? Sexo não é o único interesse na vida das pessoas e elas sabem, muito melhor do que eu, o porquê de manterem relacionamentos cuja vida sexual é patética ou, muitas vezes, inexistente mesmo.

Fico tentando quebrar a cabeça e entender porque um homem que come duas mulheres ao mesmo tempo é o pica das galáxias; enquanto nas terras egoístas de homens – e muitas mulheres – aquela que decide dar para dois juntos é a vagabunda, a puta, vadia. Digo, ela é e gosta disso, mas só naquele momento em que decide viver a vida com intensidade. Fechou a porta do motel, ela volta a ser a mulher que deve ser respeitada com todas as escolhas sexuais que faz/fez. A porra da buceta é dela. Difícil de entender isso?

Na boa, se preocupar em quantos paus a mina já sentou, pra mim, é coisa de quem jogou vídeo-game demais e esqueceu que as pessoas têm histórias. E se essas histórias fizeram a mulher feliz, como diabos eu vou torrar o saco dela com isso? Não entendo quem quer dormir ao lado de uma mulher frustrada e sem vivências. Quer dizer, entendo, mas tenho dó do quanto a testa desse cara vai começar a pesar – se já não pesa.

Homens vocês estão perdendo as suas mulheres e sabem por quê? Elas querem ser felizes e livres, mas vocês, mesmo sem notarem, ainda estão querendo moldá-las de acordo com o que o padre falou. Aliás, pior ainda, querem que elas sejam um reflexo mais jovem da sua avó.

Tenho um recado final pra tu, cara: Vai tomar no cu e coma tua mulher direito. Faça isso, meu amigo, ou alguém fará – rapidinho – por você.

**

Autor: Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN), que adora esportes e jornalismo, estando sempre disponível para bons papos. Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube), membro do Conselho do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC), comunicador da Mostra de Cinema de Gostoso. Atualmente aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN).