#CONTADORCAST 02 – CORONAVÍRUS: IMPLICAÇÕES


O ContadorCast é o canal de podcast do Contador de Causos, nossos colunistas e convidados farão debates de vários temas.


No #ContadorCast, o podcast do Contador de Causos, desta semana falamos sobre o coronavírus e suas implicações em São Miguel do Gostoso. Até onde a pandemia pode nos atingir?

EQUIPE CONTADOR

Na Mesa: Ricardo Andre (@avelrn), Ailton Rodrigues (@ailtonrod95) e Andrieli Torres (@andrielitorres)
PRODUÇÃO:
Rubens dos Anjos (@orubensdosanjos)

COVID-19: GOSTOSENSES ISOLADOS NO RIO DE JANEIRO RELATAM DIFICULDADES E INCERTEZAS

O Contador ouviu gostosenses que estão em uma das principais zonas de transmissão comunitária do Covid-19.

POR AILTON RODRIGUES

melhor-lugar-para-se-morar-no-rio-de-janeiro

Rio de Janeiro é uma das zonas de transmissão comunitária do Covid-19.

São Paulo e Rio de Janeiro foram as primeiras cidades brasileiras a serem classificadas como zona de transmissão comunitária do Covid-19, o novo coronavírus, e com isso a preocupação se estendeu por todo o território nacional.

O Contador localizou três gostosenses que estão na capital carioca e estão vivendo este momento de quarentena que estamos passando com o avanço da pandemia. O primeiro que conseguimos contato foi Max Marcolino, o jovem que já foi Mister Gostoso, está no Rio fazendo alguns trabalhos e nos relatou que ele já perdeu algumas campanhas por causa do Covid-19.

Senti muita diferença em relação aos dias normais, já perdi muitos trabalhos. Está praticamente tudo fechado, poderia definir como caótico”, declarou Max.

Já Suanes Silva, que viajou um pouco antes do surto tomar esta proporção, diz que está isolada no hotel e que mal aproveitou sua viagem, pois praticamente todos os pontos turísticos estavam fechados.

“Eu não tenho certeza de como eu vou voltar, porque o governador [Wilson Witzel] já disse que pretende fechar os aeroportos e provavelmente terei que ficar de quarentena no hotel ao qual estou hospedada”, disse Suanes.

O terceiro gostosense que contatamos foi Alécia Miranda, ela disse que a situação na região é de incerteza, mas que lamenta as pessoas não estarem levando as coisas tão a sério como deveria.

“Já estou há mais de uma semana sem sair de casa. A corrida das pessoas aos supermercados já começou, e em alguns, já tem avisos da quantidade de itens que cada cliente pode comprar. Infelizmente aqui as pessoas ainda não estão levando tão a sério, mesmo com 2 mortes e mais de 100 casos confirmados. Moro perto do aeroporto Tom Jobim, e é visível a redução de pousos e decolagens”, disse Alécia ao Contador.

Nós continuamos de olho.