A MOTIVAÇÃO NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UM PONTO DE VISTA A PARTIR DA PSICOLOGIA EDUCACIONAL

POR CYNARA RIBEIRO
PROFESSORA DA UFRN.

043012-national-black-male-teacher

Para entendermos melhor o papel da motivação na relação professor-aluno, vamos primeiro tentar situar o que é motivação e de onde ela vem. Etimologicamente, a palavra motivar reporta ao verbo latim movere, que deu origem à palavra motivo. Do ponto de vista da Psicologia, o sentido da palavra motivação relaciona-se de perto com o seu significado na língua: em termos psicológicos, motivação é definida como aquilo que move uma pessoa em direção a um determinado objetivo, é o que a põe em ação; é o que nos faz escolher, dentre um leque de opções possíveis, uma determinada ação; é o que nos faz iniciar esta ação e é o que nos faz manter esta ação.

Então, a motivação está na base de todos os comportamentos humanos, desde os mais primitivos até os mais complexos: há uma motivação para dormir e para acordar; há uma motivação para vocês estarem lendo esse texto; há uma motivação para eu estar escrevendo esse texto; enfim, tudo o que fazemos tem como pano de fundo alguma motivação. Pelo fato de a motivação estar na base de todos os nossos comportamentos, estudos concluíram que são diversos os fatores que atuam para desencadear ou manter o estado de motivação: há fatores fisiológicos, há fatores sociais, fatores culturais, fatores contextuais, dentre outros.

Agora uma pergunta: será que a motivação para comer é diferente da motivação para ser aceito em um grupo? Sim, são motivações diferentes: uma de cunho mais fisiológico, e outra de cunho mais relacional. E a motivação para aprender seria de cunho mais fisiológico ou seria de cunho mais relacional? Para a Psicologia, a motivação para aprender é de cunho mais relacional, diferente da motivação para comer, dormir, fazer determinadas necessidades, que são de cunho mais fisiológico. Mas se não vem apenas da fisiologia, de onde vem a motivação para aprender?

Acredito que vocês já devem ter ouvido uma frase do tipo: “ah, a motivação para aprender tem que vir do aluno, ele tem que querer”. Também acredito que vocês já devem ter ouvido uma frase do tipo: “ah, para estar motivado para aprender, o aluno tem que ser estimulado, por algo ou por alguém, pode ser uma recompensa, um elogio”. Essas duas posições extremas revelam uma dicotomia entre o que os estudos recentes têm chamado de motivação intrínseca e motivação extrínseca.

Na motivação intrínseca, o aprendiz é visto como alguém que já traz em si uma motivação, é aquela pessoa automotivada, que tem um papel ativo sobre a própria motivação. Já na motivação extrínseca, o aprendiz é visto como alguém que precisa de estímulos externos para se motivar.

escolaBom, se a gente entende (e eu entendo assim) que o ser humano se constitui no e pelo mundo, ou seja, que se constitui a partir de sua história de vida, de suas experiências, de sua relação com os outros, das próprias características da sociedade e da cultura em que está imerso, se a gente acredita nisso, essa dicotomia entre motivação intrínseca e motivação extrínseca revela-se frágil. Isso porque para uma pessoa estar intrinsecamente motivada a fazer algo é necessário que isso tenha alguma relevância no contexto no qual essa pessoa está inserida; de algum modo, a pessoa apreendeu que fazer isso seria importante.

Então, na verdade, motivação intrínseca e motivação extrínseca devem ser entendidas como um continumm. Isto é, há entre motivação intrínseca e motivação extrínseca não uma separação, mas sim uma continuidade. E qual é a importância dessa discussão para a educação? Bom, a importância de entender motivação intrínseca e extrínseca como um continuum é que isso nos adverte para não criar expectativas de “aluno ideal” ou de “professor ideal”. Nem existe esse aluno ideal, automotivado, com objetivos claros e disposição interna para alcançar tais objetivos; nem existe um professor ideal ou uma aula ideal, capaz de motivar todos os alunos o tempo todo.

Dizer que não existem aluno ideal e professor ideal implica em dizer que não podemos estabelecer relações simplistas (deterministas) entre atuação do professor e motivação do aluno. É claro que esses dois elementos se relacionam, mas não há entre eles relação de causa e efeito.

De fato, o que as pesquisas indicam é que há forte correlação da motivação dos alunos com dois elementos: a prática pedagógica e a própria motivação do professor. Sem desconsiderar a importância do primeiro, quero finalizar dizendo algumas palavras sobre o segundo elemento. E nesse ponto eu proponho a motivação como uma espécie de encantamento. O que é que isso quer dizer? Recorrendo de novo ao dicionário, temos que encantar é um verbo transitivo que significa: 1. Lançar encantamento ou magia sobre, enfeitiçar; 2. Transformar um ser em outro, por artes mágicas; 3. Seduzir, cativar; 4. Maravilhar-se, extasiar-se; 5. Transformar-se em outro ser por artes mágicas.

Percebam que o significado de encantar comporta uma aproximação com encantar-se: transformar um ser em outro por artes mágicas e transformar-se em outro por artes mágicas. Essas duas definições aparecem como se fossem a mesma coisa. Dessa aproximação, extraímos que, como disse uma pedagoga chamada Ostetto (2010), para exercer a magia, para lançar encantamento sobre outrem, é preciso que o indivíduo em primeiro lugar encante a si mesmo.

Assim, podemos dizer que “para encantar, é preciso encantar-se”. E para encantar e encantar-se é claro que é necessário conhecimento (é preciso conhecer os conteúdos, as técnicas, os métodos, as didáticas), mas não pensem que isso, por si só, será o suficiente. É preciso, além do conhecimento, entrega, desejo, disposição para o reconhecimento das próprias contradições e das contradições do outro, respeito ao próprio ritmo e ao ritmo do outro. Ou, repetindo, é necessário encantar-se para poder encantar.

Bibliografias Utilizadas

  • NUNES, Ana Ignez Belém Lima; SILVEIRA, Rosemary Nascimento. Os processos de aprendizagem nas psicologias de Vygotsky e Wallon. Psicologia da Aprendizagem: processos, teorias e contextos. Brasília, DF: Liber Livro, 2011. p. 103-131.
  • OSTETTO, Luciana Esmeralda. Para encantar, é preciso encantar-se: danças circulares na formação de professores. Caderno CEDES, v. 30, n. 80, p. 40-55, jan./abr. 2010.

DATAPREV publica edital do Concurso Público para níveis médio e superior

Taxas de participação variam de R$ 80,00 a R$ 100,00, de acordo com a função escolhida.

 

DATAPREV publica edital do Concurso Público para níveis médio e superior

Foi divulgado nesta terça-feira, 6, no Diário Oficial da União, o edital do Concurso Público que a DATAPREV – Empresa de Tecnologia e Informação da Previdência realiza sob organização da Cetro – Concursos Públicos, Consultoria e Administração.

O objetivo é formar cadastro reserva de profissionais em diversas cidades Brasileiras, em cargos de nível médio e superior, com jornadas de trabalho de 30h a 40h semanais, e salários entre R$ 3.699,32 a R$ 7.564,60, já acrescido o adicional de atividade e auxílio alimentação.

As funções contempladas são: Auxiliar de Enfermagem do Trabalho, Técnico de Segurança do Trabalho, Analista de Processamento, Analista de Tecnologia da Informação nos perfis: Advocacia, Análise de Informações, Análise de Negócios, Contabilidade, Desenvolvimento, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Finanças, Gestão de Serviços TIC, Infraestrutura e Aplicações, Pessoas, Processo Administrativo, Engenheiro de Segurança do Trabalho e Médico do Trabalho.

Os aprovados vão fazer jus também a benefícios tais como: reembolso préescola (para filhos matriculados em Creche, Maternal e Educação Infantil), reembolso escolar (para os dependentes dos empregados matriculados no Ensino Fundamental e Médio), apoio financeiro a tratamento especializado, auxílio-alimentação/refeição, plano de previdência complementar (opcional), e plano de saúde e odontológico (opcional), desde que preenchidos os requisitos legais e obedecidas as condições estabelecidas em Normas Internas de acordo com o acordo coletivo vigente à época da contratação.

Se você tem interesse em participar, saiba que as inscrições devem ser realizadas exclusivamente pela internet, no endereço eletrônico da Cetro Concursos (www.cetroconcursos.org.br), no período de 08 de setembro a 07 de outubro de 2016, iniciando-se às 10h do primeiro dia. Nesta etapa é preciso efetuar o pagamento do boleto bancário referente a taxa de participação.

A isenção da taxa de inscrição é concedida apenas aos candidatos amparados Decreto Federal nº 6.593, de 2 de outubro de 2008. Os pedidos serão recebidos nos dias 08 e 09 de setembro de 2016, por intermédio de solicitação enviada via internet ao endereço eletrônico da Cetro Concursos.

Este certame é composto de Provas Objetivas e Discursivas, sendo que a primeira etapa está prevista para ocorrer no dia 20 de novembro de 2016, nas cidades de Aracaju – SE, Belém – PA, Belo Horizonte – MG, Boa Vista – RR, Brasília – DF, Campo Grande – MS, Cuiabá – MT, Curitiba – PR, Florianópolis – SC, Fortaleza – CE, Goiânia – GO, João Pessoa – PB, Macapá – AP, Maceió – AL, Manaus – AM, Natal – RN, Palmas – TO Porto Alegre – RS, Porto Velho – RO, Recife – PE, Rio Branco – AC, Rio de Janeiro – RJ, Salvador – BA, São Luís – MA, São Paulo – SP, Teresina – PI e Vitória – ES.

Há também prova de Títulos seguindo os critérios de pontuação preestabelecidos no edital de abertura disponível para consulta em nosso site.

A validade deste Concurso é de dois anos, prorrogável a critério da DATAPREV, uma única vez por até igual período, a contar da data da homologação do resultado final.

Em nosso site já está disponível a Apostila Digital elaborada com o conteúdo sugerido para as Provas. Ao adquirir o material você pode estudar como e onde quiser, pois o arquivo estará disponível para o seu smartphone, tablet, e computador.

Fonte: PCI Concursos

 

OTIMISMO E PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS MARCAM 4º COMÍCIO DOS CANDIDATOS GOSTOSENSES

Baixinha dos França e Morros dos Martins foram mais uma vez palco dos candidatos a prefeito.

POR AILTON RODRIGUES
ANT. CONSELHEIRO, S.M. DO GOSTOSO/RN

O 33º dia da corrida eleitoral de São Miguel do Gostoso, neste último sábado (17), foi marcado por mais uma rodada de comícios dos candidatos a prefeito.

O distrito da Baixinha dos Franças recebeu a coligação “Mudando Para Melhor”, enquanto o Morros dos Martins foi palco da coligação “A Força do Povo”.

Os discursos dos candidatos foram à tônica da noite, com palavras de otimismo e convicção o público presente em ambos os eventos, vibraram. Miguel chegou nos braços de seu público e Renato afirmou que vai ser um gestor diferenciado, caso seja eleito.

Sobre as participações especiais, Miguel Teixeira trouxe para seu palco a deputada federal Zenaide Maia (PR) e o presidente estadual do PR, João Maia. Por parte de Renato de Doquinha, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB) compareceu nas caminhadas pelo distrito durante o dia.

Confira algumas imagens dos eventos:

  • COLIGAÇÃO “A FORÇA DO POVO”

14407684_1238171546245073_713106799_n14429470_1238160816246146_58496395_n14370187_660147470819780_1720148177757026789_n

  • COLIGAÇÃO “MUDANDO PARA MELHOR”

14355147_147890085664353_5788780182295563510_n14317522_314542112253034_754688014848837836_nwhatsapp20image202016-09-1920at2008_09_58

Esse fim de semana não haverá eventos políticos no município, as vigílias estão marcadas para os dias 28 e 29.

Nós estaremos de olho. Até qualquer hora.