BACURAU, POLÍTICA, CANNES: O QUE BOMBOU NA 6ª MOSTRA DE CINEMA DE GOSTOSO

Evento que aconteceu de 08 a 12 de novembro reuniu centenas de pessoas para prestigiar e debater sobre o audiovisual brasileiro.

POR AILTON RODRIGUES
ANT. CONSELHEIRO, S.M. DO GOSTOSO/RN

6 MCG - Areias do Maceió
Areias da Praia do Maceió sempre lotadas

A 6ª Mostra de Cinema de Gostoso (infelizmente) acabou, o evento que durou de 08 a 12 de novembro reuniu centenas de pessoas na cidade de São Miguel do Gostoso para prestigiar e debater o melhor do audiovisual brasileiro.

Como de praxe, nós acompanhamos toda essa celebração da sétima arte em terras gostosenses e destacamos cinco momentos emblemáticos para nossa equipe. Veja:

PACARRETE

6 MCG - Pacarrete
Atriz Macélia Cartaxo recebe um dos prêmios de Pacarrete.

O longa metragem de Allan Deberton foi aclamado pelos espectadores da Mostra. A história da bailarina aposentada que tinha sonho de ter sua arte respeitada pela população forrozeira do sertão do Ceará foi bem avaliada pela população. O debate inclusive foi um dos mais cheios desta edição.

Muito também pelo carisma da Marcélia Cartaxo – A Hora da Estrela (1985), Madame Satã (2002) – que se emocionou nos anúncios das premiações e se disse encantada com a exibição do filme ao ar livre. Aparentemente, a própria não tinha percebido que havia composto uma personagem tão única que desperta variados sentimentos em todos os espectadores.

Com isso o filme foi consagrado com nada mais, nada menos que três troféus (Prêmio Luís da Câmara Cascudo – Júri Popular, Prêmio da Imprensa e Prêmio DOT Cine – DCP de longa metragem). O maior vencedor em uma edição da Mostra.

BACURAU

6 MCG - Sessão Bacurau
Sessão especial de Bacurau teve o maior número de espectadores da história do festival.

O filme que todo mundo estava esperando, não decepcionou. Mesmo sem números oficiais, visivelmente foi o maior público da história do festival, as 600 espreguiçadeiras foram pouco para tanta gente que se espalhou pelas areias da Praia do Maceió e curtiu o filme de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho.

Bacurau já foi aclamado pela crítica e já bateu a marca de mais de 100 mil espectadores, além disso foi premiado no Festival de Cannes. Nem preciso dizer que o debate sobre o filme foi o mais concorrido, mas de fato a brincadeira da mescla de gêneros impressionou.

O BRASIL LÁ FORA

6 MCG - debate internacional
Barbara Sturm, Jean Thomas Bernardini e Flavia Guerra falando sobre o audiovisual brasileiro no exterior.

Apesar do cenário difícil que se encontra o audiovisual brasileiro com a extinção do Ministério da Cultura, a falta de recursos e as incertezas no futuro da Agência Nacional do Cinema (Ancine), o Brasil teve o que comemorar em 2019.

Prêmios como o de Bacurau em Cannes, quatro prêmios em Sundance, além de 12 representações em festivais internacionais foram explanados por produtores e distribuidores em um debate especial desta 6ª edição da Mostra.

MOMENTO POLÍTICO

A abertura da Mostra culminou exatamente com (mais um) momento de conturbação na política nacional com a soltura do ex-presidente Lula após a revogação da prisão em segunda instância pelo STF. Com isso, gritos de Lula Livre foram entoados pelos organizadores do evento e seguiu por todo o festival.

Os debates também tiveram momentos de críticas ao governo atual, por tudo o que foi explanado no tópico acima.

CANNES DO NORDESTE

6 MCG - Sessão de Pacarrete
Allan Deberton disse que Gostoso era a “Cannes do Nordeste”.

A frase que simbolizou a 6ª Mostra de Cinema de Gostoso foi dita pelo diretor Allan Deberton na abertura do evento, ao se encantar com a composição da sessão da Mostra Competitiva ele declarou que a Mostra era a “Cannes do Nordeste”.

O diretor Juliano Dornelles havia compactuado da definição e disse que o ambiente proporcionava uma sessão única:

“Foi muito impressionante para mim ver essa estrutura que respeita o cinema montada na areia da praia e com adesão absurda do público. Acho que temos muita sorte de ter espaços como esses para debater sobre cinema e se encontrar”, declarou Juliano ao Canal Brasil.

BÔNUS: CURTAS GOSTOSENSES

Óbvio que não podíamos deixar este texto sem destacar a beleza dos curtas gostosenses, começando pelo vencedor do Prêmio Laces, Júlia Porrada (2019) de Igor Ribeiro que contou a história de uma moradora local.

Labirinteiras (2019), Ando Me Perguntando (2019) e Carta Branca (2019) foram os outros títulos que cativaram os nativos e os visitantes também. O momento ainda era de celebração, uma vez que, o curta O Grande Amor de Um Lobo (2018) acabara de conquistar um prêmio internacional em Los Angeles.

Bom a lista poderia ter mais itens, mas você pode rever a qualquer momento nossas redes sociais e relembrar todos eles.

Viva o cinema! Que venha a 7ª edição. Até qualquer hora!

A 6ª Mostra de Cinema de Gostoso é uma realização da Heco Produções, do Coletivo de Direitos Humanos, Ecologia, Cultura e Cidadania (CDHEC) e da Guajirú Produções. Apresentação: Ministério da Cidadania. Patrocínio: Grupo Banco Mundial, Governo Cidadão, Governo do Rio Grande do Norte – Secretaria de Turismo (SETUR), BRDE, FSA, ANCINE e Sprite. Apoio: Laces, Potiporã, SEBRAE RN, Itograss, Pousada dos Ponteiros, Serveng, Gol, Elo Company, DOT, ETC, Video Shack, Mistika, ON Projeções, BrLab, Marcenaria SMG, Fundação José Augusto e Lei Câmara Cascudo. Apoio Institucional: Prefeitura Municipal de São Miguel do Gostoso.