JOGANDO PROFISSIONALMENTE

 

Os jogos de vídeo game que foram considerados jogos para criança, ou simplesmente um passatempo, hoje se tornaram um mercado que gera milhões e uma das principais atividades ligada aos jogos eletrônicos é o e-sport.

POR RICARDO ANDRÉ
SÃO MIGUEL DO GOSTOSO/RN

Já imaginou jogar contra um jogador profissional de futebol? Ou lutar contra um judoca olímpico ou apostar uma corrida contra Usain Bolt? Da para imaginar o resultado dessas disputas? A melhor resposta para essas perguntas seria “Massacre”.

A evolução dos vídeo games juntamente com a internet possibilitaram a organização e sistematização de disputas daquelas “feras” que a gente só  encontrava nos fliperamas ou conhecia somente na escola, aqueles “viciados” de quem ninguém conseguia ganhar. Enfrentar esses jogadores é uma surra garantida, num mar de milhões competidores conectados.

Hoje o E-sport é uma realidade crescente em todo mundo, principalmente nos países que investiram mais em educação e tecnologia, não é a toa que os grandes fenômenos do e-sport são asiáticos. Não se engane, ser um jogador profissional exige o de sempre: estudo, preparação técnica e dedicação. Você que já não joga a algum tempo dê um olhada no que esta rolando.

Se é esporte tem que ter cobertura esportiva

Para quem gosta de jogos de luta a final latino-americana do Capcom Pro Tour será realizada em São Paulo no próximo dia 2 de novembro. O evento reunirá 16 jogadores e o vencedor terá direito a disputar a Capcom Cup 2016, final mundial de “Street Fighter V” que acontecerá em dezembro, nos Estados Unidos.

capcom-pro-tour-america-latina-1477587594739_615x300

Por ora, 14 dos 16 competidores já estão definidos. Apesar de ser a final latino-americana, há jogadores de países fora dessa região, como Will2Pac da França e K-Brad, dos Estados Unidos. Os demais competidores serão definidos por meio do torneio Last Chance, que também ocorrerá em São Paulo nesse sábado (29) às 10h50, com transmissão ao vivo pelo canal da Capcom no Twitch. Essa será a única forma de acompanhar o evento, uma vez que ele não será aberto ao público.

csly2qvuiaevajp
Immortals, principal equipe brasileira de CS:GO

Quem curte um bom jogo de tiro em primeira pessoa vale lembrar que o famoso Counter-Strike, ainda faz muito sucesso na sua versão atual o Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) e movimenta o e-sport mundial com um cenário muito competitivo e onde o Brasil tem seu espaço. Na semana passada o time Immortals venceu Mousesports e se mantém viva na ESL Pro League S4. Quem curte esse estilo de jogo terá mais facilidade de acompanhar os principais campeonatos pois conta com transmissão na TV por assinatura no canal EI Maxx, o programa ELeague vai ao ar religiosamente nos sábados às 23h.

Não podia esquecer é logico do League of Legends (LoL) um jogo do gênero multiplayer online battle arena. Nos campeonatos times de 5 jogadores se enfrentam em partidas de em média 40 min, em um campo dividido em 3 rotas, onde o objetivo é destruir a base inimiga.

O LoL possui um amplo cenário de competição, em Natal/RN esse ano a Digicom organizou um torneio com R$ 3 mil em premiação.

cblol_final_allianzparque_164
Final da CBLoL no Ginásio do Ibirapuera (SP)

Desde 2012, os melhores times profissionais do Brasil se enfrentam no CBLoL, o Campeonato Brasileiro de League of Legends. Eles lutam não só pela supremacia em League e um lugar na história, mas também por uma vaga no Campeonato Mundial. É uma longa e disputada jornada, que já consagrou times como a KaBuM eSports (2014) e a paiN Gaming (2015).

As rodadas do CBLoL acontecem aos finais de semana no estúdio da Riot Games, em São Paulo, com transmissão ao vivo pela internet em nosso site oficial e nos canais YouTube, Twitch e Azubu.

No Campeonato Mundial 2016 de League of Legends, as equipes SKT T1 e Samsung Galaxy se enfrentarão para decidir qual é a melhor. Amanhã (29) você pode acompanhar a final do Campeonato Mundial a partir das 20:30h no link a seguir: https://www.youtube.com/user/lolesportsbr

E o Contador de Causos fica por aqui.

Autor: Ricardo André

Professor de Matemática, produtor cultural e tesoureiro do Espaço TEAR (CDHEC)

Os comentários estão encerrados.